A Rede Xingu+ é uma aliança política entre as principais organizações de povos indígenas, associações de comunidades tradicionais e instituições da sociedade civil atuantes na bacia do rio Xingu para a consolidação e defesa do Corredor Xingu de Diversidade Socioambiental e dos direitos dos povos da floresta que o mantêm.

O Corredor Xingu existe pela união dos parceiros da Rede. É o resultado da aliança de diversos povos do Xingu que têm no Rio e na natureza a espinha dorsal de suas vidas e culturas.

“Nós somos diferentes, mas a gente luta pelos mesmos objetivos, que é a busca de soluções para as ameaças ao nosso território” Itamir Bernaldino, Resex Rio Xingu.“Nós somos diferentes, mas a gente luta pelos mesmos objetivos, que é a busca de soluções para as ameaças ao nosso território” Itamir Bernaldino, Resex Rio Xingu.








Parceiros

AMOMEX

Associação dos Moradores da Reserva Extrativista do Rio Xingu


AMOMEX

Associação dos Moradores da Reserva Extrativista do Rio Xingu

Território

Resex (Reserva Extrativista) Rio Xingu (Pará). 



Iniciativa

A Associação dos Moradores da Reserva Extrativista Médio Xingu (Amomex) é uma associação de personalidade jurídica sem fins lucrativos, fundada formalmente em 19 de abril de 2009. A Amomex nasceu no auge da luta dos moradores que vivem na margem esquerda do Rio Xingu e que viviam em constante ameaça de perda de seus territórios para grupos de grileiros de terra para implantação de grandes fazendas e garimpos.



A Amomex foi criada para demandar ao poder público a criação de uma área especialmente protegida. Sua estrutura de funcionamento é formada por lideranças de sete grupos regionais que compõe a área da Resex; uma diretoria executiva (presidente, tesoureiro, secretário e seus vices); um conselho fiscal; uma equipe técnica formada por um assessor extrativista (morador da Resex), um assessor técnico de nível superior e uma assistente para questões relacionadas a saúde.



Os recursos da Amomex são mantidos por meio das contribuições de sócios, de projetos e ações de parceiros, além da prestação de serviços para a prefeitura local, no transporte de professores.



SAIBA MAIS

https://uc.socioambiental.org/uc/5803




“Quando você é um, uma comunidade, uma instituição, uma aldeia, você não tem muita força. Mas quando junta todo mundo, olha o tamanho da força que temos”
Pedro Pereira de Castro


A Rede Xingu+ é uma articulação da sociedade civil cujos antecedentes remontam a movimentos de resistência contra o barramento do rio Xingu durante o encontro dos povos da floresta de Altamira em 1989, e posteriormente com o processo de organização social de indígenas e ribeirinhos que culminou na criação de associações, movimentos e organizações. Os indígenas, povos tradicionais e seus parceiros voltaram a se reunir no encontro de Altamira de 2008, e desde então vêm fortalecendo seus vínculos de conexão e identidade. Em 2013, foi realizado o primeiro encontro Xingu+, em que os atores explicitaram a vontade de firmar uma aliança em defesa do rio e dos direitos direitos dos seus povos.

O segundo encontro aconteceu em outubro de 2015, e teve seu foco principal no reconhecimento dos diferentes atores que estão no território do Xingu, com uma atenção especial para a troca de experiências entre indígenas e ribeirinhos sobre a gestão de seus territórios, e a promoção de iniciativas econômicas sustentáveis a partir da manutenção da floresta em pé.

Entre os principais encaminhamentos do segundo encontro foram definidas a periodicidade do evento e a necessidade de criação de ferramentas de comunicação mais ágeis e permanentes que mantenham os povos do Xingu informados e conectados entre si. Desse encaminhamento surgiu a elaboração desta plataforma e do observatório De Olho no Xingu.

No terceiro encontro, realizado em outubro de 2017 em Brasília, foi feito o lançamento da plataforma colaborativa e iniciada a fase de uso e apropriação de suas ferramentas como o observatório DE OLHO NO XINGU, entre outros instrumentos de comunicação e compartilhamento de informações internas e externas da aliança. Neste último encontro participaram representantes do MPF, Funai, Icmbio, MMA, ANA e Ibama.

Entre os principais encaminhamentos foi reiterada a importância da rede e a necessidade de seu fortalecimento na defesa do Corredor Xingu e os direitos de seus povos.



Relatoria Gráfica

Monitoramento de pressões e ameaças

Carta




Bem-vindo à
Rede Xingu+

Construída em tempo recorde, a usina de Belo Monte está
sendo construída sem licenciamentos exigidos por lei